sexta-feira, junho 06, 2014

Hakassan Restaurante

Desde que fui á Asia pela primeira vez fiquei apaixonada pela comida feita do outro lado do mundo. A principal característica da culinária chinesa por exemplo é o tempero, eles costumam usar muito alho, cebola, pimenta, molhos enfim ingredientes que realçam o sabor de qualquer comida e o resultado (além de chineses e ambientes fedorentos, rs...) é uma comida bem temperada e fantástica!
 
Um exemplo clássico de boa comida chinesa pode ser conferido no Hakassan, um restaurante de Alan Yau e o primeiro rest. chines a ganhar estrela do Michelin lá eles servem comida chinesa internacional perfeitamente saborosa e lindamente apetitosa, um dos melhores restaurantes que já comi na vida, (opinião do Ricardo também).
 
 
Me deliciei com todos os pratos e a cerveja chinesa Tsin Tao extremamente gelada complementou minhas escolhas. Pertinho da estação de Tottenham Road mas num endereço bem discreto é um estrelado que vale a pena, em especial quando vc é perfeitamente atendido em sua língua e super recomendado no seus pedidos.
 
 
 
Segue abaixo nossas escolhas.
Pra começar, fomos de dumplings (Se você não sabe o que é clique aqui), pois eu queria muito apresenta-los ao boy e ele amou! :) 
Os tipo eram: Scallop shumai, hargau, chinese chive dumpling e shimeji dumpling.
 
 
Nossa outra entrada foi o: Golden Fried Soft Sheel Crab with red chili and curry leaf (Siri mole com pimenta vermelha e curry. Absurdamente bom!!!!!!!!!!!


 Os pratos principais foram: Spicy prawns with lily bulb and almond (camarões com lírios e amêndoas), normalmente não gosto de oleaginosas de um modo geral, mas esse camarão era divino e acho que as amêndoas são usadas no molho, pois o gosto delas não sobressai.


 
O outro prato foi um Stir-fry ostrich in yellow bean sauce (Avestruz com raspas de cogumelo frito na wok). Pelo amorrrrrr, relembrando e me babado exatamente agora... :( 
 


Acho que paro por aqui se não entro em depressão pós Hakassan! kkkkk....

Mas antes gostaria de deixar aqui registrado que há várias sedes deste restaurante espalhadas pelo mundo e esse post fala especificamente do restaurante de Londres, pois como já tive a chance de experiementar o mesmo restaurante em Miami e não aprovei, acho que é bom deixar claro.

A única coisa que ambos tem em comum é a decoração já que os dois são bem parecidos e também o atendimento, fomos bem atendidos da mesma forma nos EUA, mas o resto... Até o cardápio é diferente, os dumplings não tem a mesma variedade e nem qualidade, enquanto em Londres tem um cardápio exclusivo para os dim sum com os mais variados sabores, em Miami só tem uma ou duas opções. Todas as nossas escolhas na seda americana vieram razoáveis e o preço cobrado não condiz com o que nos ofereceram, infelizmente pois queria muito relembrar a comida acima que tive o prazer de me deliciar em Londres.

Bjos,

Rê.

 
 

quarta-feira, junho 04, 2014

Lucca

Lucca atrai muitos fãs de ópera pois é a terra onde nasceu o famoso musico Puccini, apesar de simpatizar com o gênero e adorar ter tido a chance de assistir à um concerto na cidade acabei me contentando com a vista idílica de Lucca, o que não foi pouco pois achei a cidade extremamente fotogênica, para todos os lados tínhamos paisagens de tirar o folego, graças à secular muralha e às suas árvores repletas de folhas secas, muitas vezes já caídas pelo chão devido a chegada do outono.
 
Outono em Lucca


Entrada da muralha

Passagem da muralha


 

 
 
 
Como chegar: Lucca está a 70 km Noroeste de Florença, demoramos um pouco mais de 1 hora para chegar, fomos de carro. Mas a cidade está interligada com as principais cidades da região tanto por ônibus como por trens. Por exemplo de Florença eles saem a cada um hora e demoram 1h e 15min. 
 
Não falarei da melhor época para ir pois à todas cidades da Toscana se aplica a ideia de Florença citada em posts anteriores. Nem tampouco irei falar de onde ficar já que fiz bate-volta.
 
O que ver e fazer: Muito aqui gira em torno do personagem mais célebre da cidade, são eles, os pontos turísticos:
* A Chiesa dei SS Giovani e Reparata onde Giacomo Puccini foi batizado em meados de 1858;
* O lugar onde Puccini cresceu virou Museo Casa Natale di Puccini;
* A catedral onde ele foi organista Cattedrale di San Martino é também bastante visitada;
* Assim como onde o musico tocou piano: o Teatro del Giglio.
* Mas o mais famoso ponto turístico da cidade é a villa onde ele viveu 24 anos da sua vida com a esposa e a presença frequente de amigos pescadores e artistas boêmios. Chamado de Museo Villa Puccini este lugar preserva a arquitetura Art Noveau feita pelo próprio músico, oferece visitas guiadas que chegam a ser fascinante e é sede de um festival de ópera que leva o nome do artista.
 
Duomo ou Catedral de San Martino

 
Outros lugares pra visitar  "fora" da rota Puccini seriam: a Torre do Relógio que tem uma vista bem legal da cidade, a Piazza Anfiteatro (abaixo) ; a Igreja San Michelle.


E programações diferentes podem ser feitas como um passeio de bicicleta ou mesmo um piquenique na Muralha à base de vinho Lucchese, um focaccia e o típico buccellato, um doce feito de pão, uvas e sementes de anis (que vale ressaltar, por mim não foi aprovado).

Agora se não der as opções anteriores faça como a gente pare várias vezes, a cada doceria, experimente as muitas pizzas a venda pelas ruas estreitas de Lucca, belisque diveras vezes e sinta os mais variados sabores, afinal Itália e o ato de comer combinam perfeitamente.

Algumas guloseimas abaixo! ;)

Bjos e até o próximo post.

Rê.


Doceria
 
;)




 

segunda-feira, junho 02, 2014

Amsterdam

Os motivos que levam um turista visitar Amsterdam são os mais variados possíveis, mas os principais são o Turismo Sexual e o de Negócios, o primeiro graças ao Red Light District uma zona de prostituição onde as mulheres se encontram na vitrine à livre escolha e negociação uma vez que isto é legalizado no país assim como o uso de algumas drogas; já o turismo de negócios se deve principalmente pelo país ter o maior porto da Europa e ser um dos principais exportadores.
 
Mas nem só de sexo, drogas e business vive Amsterdam, fiquei totalmente surpresa e encantada com o que vi por lá. A cidade é de primeiríssimo mundo, seus habitantes tem renda super elevada para a média da Europa o que é perceptível à primeira vista com lugares limpos por onde quer que você passe, pessoas educadas e prestativas que vão e vem em suas milhares de bicicletas, transporte eficiente e responsável ambientalmente falando, o governo da Holanda tem como sua princial meta a perseguição das menores taxas de desigualdade social e ao meu ver vem alcançando isto.

 
 
 
A mesma Amsterdam do red light district é a Amsterdam dos canais e lindos parques, uma cidade cheia de charme que atrai também os casais em busca do romantismo desse cenário, a visita me fez constatar que as pessoas não vêm somente em busca dessa liberdade sexual tão propagada mas principalmente em busca da liberdade cultural pois com seus milhares de museus de arte Amsterdam tem programações que agradam a todos, em qualquer estação do ano.


Como chegar: O trem-rapido Eurostar é a melhor forma de chegar à Amsterdam, ele liga  a cidade à Paris, Londres e Bruges. Partindo de outras cidades proximas é possivel pegar trens normais, eu cheguei de avião vindo de Veneza com o boy, resolvemos de ultima hora visitar a cidade então o ticket consequentemente não foi barato, mas não me recordo agora o valor.

Quando ir: Fuja do frio, essa cidade realmente sabe fazer você congelar, minha viagem foi no final do inverno (em Março) e ainda pegamos muuuuito frio por lá, o que influenciou bastante no nosso tipo de viagem, não pudemos curtir os parques nem andar de bicicleta, passear pelos canais era impossível, então optamos por fazer mais programações em lugares fechados, o fato de estarmos mega cansados afinal era o 4º país que visitávamos na mesma viagem também pesou para passarmos mais tempo dentro dos pubs bebendo cerveja.

Onde ficar: Em Amsterdam vi um negócio que ainda não tinha visto em nenhum lugar, no aeroporto na chegada fomos atrás de informações sobre hospedagem já que não tínhamos nenhuma reservada e assim que saímos pela porta do desembarque nos deparamos com um painel com fotos e dados de vários hotéis, assim como um telefone ao lado de cada um deles, ou seja caso vc se interessasse por algum era só pegar o fone que o aparelho discava automaticamente pro hotel e você poderia consultar valores e disponibilidade. Achei o máximo! Escolhemos um hotel simples, três estrelas e na beira de um canal, com uma vista bem legal do nosso quarto. Para uma escolha de ultima hora e super apressada pois chegamos tarde da noite, ele foi aprovado, tem ótimos croissants no café da manhã e apenas um problema imperdoável: não tem elevador, tivemos que subir as malas de escada (ou melhor o Ricardo teve) :(

Nosso hotel de nome esquisito

A vista do quarto

Legal olhar pela janela :)
O que ver e fazer: Quando chegamos em Amsterdam estávamos cansados então resolvemos curtir a cidade descompromissados com o turismo, sem aquela obrigação de ver o máximo de coisas possível, nossos pés doíam mas ainda assim era impossível não sair andando pelas ruas da cidade, mesmo com muito frio Amsterdam é sedutora demais para que você se negue a desbrava-la a pé, o fato de ser plana e tudo muito perto facilita.


Os prédios coloridos e todos bastante parecidos fazem com que a cidade pareça de boneca, os canais só fazem reafirmar essa idéia, um cenário realmente de encher os olhos mas que muitas vezes nos nos fazia ficar confusos, desconfiando que tínhamos passado pelo mesmo lugar minutos antes ;))


A Damrak é a rua da estação e uma das principais da cidade, caminhando por ela vimos o Museu do Sexo e resolvemos entrar, é possível encontrar várias outras opções de lazer por aqui, como bares, restaurantes, lojas, etc. mas fuja dela se tiver procurando pela Amsterdam dos canais com aquele ar mais bucólico pois definitivamente não está nessa larga avenida o melhor da cidade.

 
 
 
Rijksmuseums é o prédio mais importante da cidade e também um museu bem interessante com pinturas de grandes artistas holandeses. É aqui que está a Ronda Noturna um dos quadros mais valiosos do mundo e o principal atrativo deste museu, sempre cercado por milhares de amantes de arte.



O Museu do Van Gogh é imperdível, mesmo para quem não gosta de arte ou sabe o mínimo ele ainda assim é interessante obviamente devido a historia de vida desse grande artista que com toda sua loucura criou perfeitas obras-primas.

Fomos num dia chuvoso e acabei ficando sem fotos :(



É impossivel visitar Amsterdam sem conhecer a historia de Anne Frank, uma menina que na época da Segunda Guerra Mundial viveu por dois anos no sótão de uma casa com seus pais, ela registrou todo o sofrimento e perseguição que sofreram pelo regime nazista em seu diário, hoje um livro que rodou o mundo e fez da casa que viveu um dos museus mais visitados da cidade e sem dúvida, uma programação turistica de tocar a alma.

Amsterdam é também famosa por suas flores que chegam em diversas partes do mundo, mais especialmente pelas tulipas rosas, amarelas, vermelhas, de todas as cores, elas estão no cartão postal da cidade e é possivel até visitar os muitos campos de plantação de tulipas.

Não deixe de experimentar os deliciosos queijos Gouda e Egam, tipicos e famosos queijos holandeses preparados como em nenhum outro lugar.

E também conhecer a historia da mais famosa de suas cervejarias: a Heineken! Seu museu é bem divertido, bastante interativo e pra quem gosta de cerveja vai amar o passeio.

 


 

 
 
Amsterdam é uma cidade como nenhuma outra, dificil de comparar e muito fácil de gostar, ela vai te surpreender de uma tal forma que logo você chegará a conclusão de que a menosprezou reservando tão pouco tempo para conhece-la. 
 
 



 Bjos,

By Rê






 

terça-feira, maio 27, 2014

Pisa


As maiores cidades do Noroeste da Toscana são Pisa e Lucca, nós tivemos a chance de visitar ambas e ainda Pietrasanta. Fizemos bate e volta saindo de Florença, no primeiro dia para Pisa e Pietrasanta de trem e no segundo dia de carro à Lucca.
 
Se tivesse que recomendar o passeio faria diferente, optaria por passar o fds nessa região, quem sabe dormir em Lucca e visitar as outras cidades de dia como Viareggio (que pareceu bem interessante no verão, pois nossa ida foi de certa forma pouco produtiva, já que optamos por fazer uma viagem sem pressa, acabamos sentando para comer, tomar vinho enfim curtir o lugar e sobrou pouco tempo para conhecer mais de cada cidade que passamos.


 
 


Como chegar: Pegamos o trem na estação de Santa Maria Novelle, no inicio da manhã, descemos no centro da cidade minutos depois e saímos caminhando com o mapa em busca dos principais pontos turísticos da cidade, não foram preciso mais do que alguns poucos passos para perceber o quão animada e vibrante é esta cidade, os jovens estão por todos os lados, eles são moradores e não turistas que vão à Pisa para frequentar as famosas universidades e movimentar a economia local.
 

 
Circulando: A cidade é bem compacta e como quase todas as outras da toscana o centro histórico tem as zonas de trafego limitado portanto ir de carro pode ser um problema.
 

Acomodações: Disse que seria melhor ficar em Lucca devido a fama da cidade não ter uma boa oferta de acomodações de qualidade.
 
História: No final do séc. 10 Pisa se tornou uma grande potencia marítima pois tinha uma base naval importante e um dos principais portos comerciais da época, concorrendo com o de Genova e Veneza. O sucesso do comércio com o Oriente neste período foi fundamental para o desenvolvimento da cidade em termos culturais e arquitetônicos. Porém os projetos artisticos, literários e científicos só ganharam força quando Pisa se envolveu em conflitos imperiais e por fim caiu sob o domínio de Florença e a corte dos Medici os incentivou restabelecendo a universidade local onde estudou o mais célebre pisano: Galileo Galilei! Com a Segunda Guerra Mundial cerca de 40% da cidade foi destruída.

 
Turismo: Como muitos devem saber a principal atração turística de Pisa é uma obra que deu muito errado, a Torre de Pisa que fica na praça conhecida como Campo dei Miracoli, nessa praça também estão o Batistério e a Catedral, a torre é realmente muuuito torta, você chega até se sentir mareada de ficar olhando muito, a construção dela começou em 1173, mas foi interrompida anos depois devido ela está tombando, encontraram uma solução compensando o peso dela para o outro lado com colunas, o que não resolveu em definitivo pois ao longo dos séculos ela continuou inclinando em média 1 metro por ano. Mas parece que em 1993 resolveram o problema de vez fixando cabos de aços aos edifícios vizinhos mantendo ela reta temporariamente para que fossem tiradas toneladas de areia e argila isso acabou fazendo com que a torre inteira afundasse mais e resultou numa diminuição da inclinação. Na verdade, os outros prédios que se encontram nesta prça também são ligeiramente inclinados, isso tudo devido a mistura de areia e argila q se estende cerca de 40mt de profundidade.




Ao longo do Arno se encontra o  Palazzo Blu um belíssimo prédio do séc. 14 muito bem restaurado e sede de grandes obras pisanas, sua fachada azul e voltada para o rio são encantadoras. Já a Chiesa di Santa Maria dela Spina é um perfeito exemplo do gótico pisano, ricamente ornamentada por fora com espirais e estatuas, por dentro é simples e transmite a calma adequada para uma reflex~çao.

Encantada por essa igreja





Comendo em pisa: Nosso almoço foi na Osteria dei Cavalieri, um autentico restaurante italiano, pequeno, com animado atendimento e bons vinhos. O restaurante não tem luxo, sua fachada é pequena e discreta, por outro lado estava lotado e na sua porta exibem vários prêmios e indicações, dentre eles Michelin, selo de excelência do Trip e prêmios locais. Como eu estava sem fome optei por experimentar neste dia a tripa fiorentina, um prato arriscado, e que eu provavelmente sabia que não ia me agradar.
 



                  Entrada                                   As tripas fiorentinas                                           Sobremesa cheesecake